Gravidez

  • A reprodução é a forma de todos os seres vivos darem origem a outros seres vivos semelhantes. É assim que as gerações continuam.
  • Para que haja reprodução é necessário que o óvulo (célula sexual feminina) se encontre com o espermatozóide (célula sexual masculina). E quando isso acontece, forma-se o ovo, que é a célula que se vai transformar num bebé.
  • A este fenómeno chama-se fecundação.
  • Quando há fecundação, o ovo instala-se no útero, que se vai dilatando à medida que o bebé cresce ao longo de 40 semanas.
  • Quando ovo chega ao útero a mulher está grávida. Mas não é uma coisa que se perceba logo, ou seja, que no seu abdómen uma vida se está a desenvolver.
  • Passados três, quatro semanas, muitas mulheres começam a sentir-se enjoadas, com mais sono ou mais cansadas. São sintomas próprios da gravidez.
  • Durante as 40 semanas de gestação (o que equivale, mais ou menos, a nove meses) o bebé vai crescendo regularmente, tal como a barriga da mãe.
  • No útero da mãe, o bebé está protegido pelo líquido amniótico e é alimentado através do cordão umbilical.
  • Cerca de nove meses após a fecundação do óvulo, o bebé está pronto a enfrentar a vida, fora da barriga da mãe. Começa então a manifestar vontade de sair.
  • Nesse momento, o útero da mulher apercebe-se de que o bebé está pronto a sair e começa a fazer movimentos próprios para o ajudar - são as contrações.
  • Estas provocam dores muito fortes à mulher e indicam-lhe que o momento do parto se aproxima. As contrações mantêm-se durante todo o trabalho de parto, ou seja, até à altura em que o bebé nasce.
  • Durante as contrações a vagina da mulher começa a dilatar-se, o útero fica contraído. O bebé empurra e faz força com a cabeça até sair pela vagina. E o milagre da vida acontece. Nasce uma criança!
  • Após o nascimento, o cordão umbilical é cortado mas a recordação da sua existência ficará para sempre com o novo ser humano através do umbigo.
  • E como todos os mamíferos, o bebé nasce logo com o instinto de mamar. Se a mãe lhe oferecer o peito o bebé agarra-o com a boca e começa imediatamente a alimentar-se.
  • No entanto, ao contrário de muitos outros animais que, passadas poucas horas do nascimento já andam e se alimentam sozinhos, o bebé humano precisa de alguns anos até ganhar esta autonomia.

Fonte: http://www.junior.te.pt